DestaqueNotícias

Alagoas ganha laboratório para pesquisa com células-tronco

Estrutura na Ufal inaugura equipamentos similares aos que são utilizados por Fiocruz e UFRJ

Naísia Xavier

Foi inaugurado o Laboratório de Inovação Farmacológica (Laif), no Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), na tarde desta quinta-feira (17/10). O espaço vai servir à busca de novos fármacos para doenças raras, especialmente a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

Professor Marcelo Duzzioni agradece e aponta perspectivas

Para ser criado, o Laif recebeu aproximadamente R$ 2,3 milhões em recursos do Ministério da Saúde, em dezembro de 2017. O Governo de Alagoas, através da sua Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapeal) colaborou enquanto articulador na captação dos recursos. À época, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde estava sob a direção do alagoano Marco Fireman.

O Laif, junto ao grupo de estudos sobre ELA, é coordenado pelo professor Marcelo Duzzioni, doutor em Farmacologia. Ele diz que o objetivo do laboratório é gerar inovação farmacológica, a partir do conhecimento de qualidade.

“Hoje a gente comemora e agradece, mas amanhã, vamos arregaçar as mangas e dar sequência ao que a gente se propôs”, declarou o cientista durante a solenidade de abertura.  Entre os objetivos, está o de elevar a Ufal ao nível de centro reconhecido por estudos com células-tronco.

“Hoje, temos um laboratório funcionando com equipamentos que a gente consegue comparar com os da Fiocruz e da UFRJ. Então, Alagoas e a Ufal não ficam atrás de institutos que estão, há anos, trabalhando com esse tipo de pesquisa. Os estudos que vamos conseguir desenvolver aqui são realmente de ponta e compatíveis com outros grandes institutos”, explica o doutor em biociências e biotecnologia, e pesquisador no Laif, Axel Cofré.

O diretor-presidente da Fapeal, professor Fábio Guedes, definiu o momento como gratificante: “Para consegui-lo, não foram só necessárias brigas técnicas. Também foram necessárias brigas com o preconceito sobre o que poderia ser feito aqui em Alagoas. Hoje, temos a reposta”, comemorou o gestor.

“Dirijo ao professor Fábio um reconhecimento público de sua colaboração. A parceria que temos com a Fapeal atende a essa captura de recursos extraordinários que nossos pesquisadores, com sua capacidade, conseguem”, observou a professora Valéria Correia, reitora da Ufal.

Professor Fábio Guedes comemora 

O evento contou ainda com as presenças dos professores Iracilda Lima e Roberto Rodarte, respectivamente diretora e vice-diretor do ICBS, e do doutor Hemerson Casado Gama, portador de ELA desde 2012, que iniciou todo este processo apresentando a demanda de pesquisas sobre a doença ao Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da Ufal.

“Este laboratório é um poder: traz grandes oportunidades e grandes responsabilidades”, comentou o cardiologista, num breve e bem-humorado discurso, inspirado em super-heróis da cultura pop, e tendo o professor Marcelo Duzzioni como seu porta-voz.

Herói na vida real, Hemerson Casado Gama atuou como médico por mais de 25 anos. A partir de 2020, ele deve retornar ao ICBS como aluno de mestrado, em uma das linhas de pesquisa abordadas no Laif.

Também participaram da cerimônia de inauguração do Laif assessores da reitoria da Ufal e estudantes.